Page Nav

HIDE

Grid

LIST_STYLE

Classic Header

{fbt_classic_header}

Top Ad

COVID-19
latest

Vem aí a universidade pública distrital do GDF

A primeira turma de alunos da Escola Superior de Gestão concluirá o curso no final deste ano. Nova formação deve sair no próximo semestre. P...



A primeira turma de alunos da Escola Superior de Gestão concluirá o curso no final deste ano. Nova formação deve sair no próximo semestre. Proposta prevê a criação de diversos cursos relacionados a dez áreas específicas


Metodologia de ensino utiliza repartições públicas do GDF como salas de aula para melhorar a capacitação dos alunos | Arte: Divulgação/ESG

Eles somam 26 alunos e, no final de 2021, estarão diplomados para gerir com mais capacidade o serviço público no Governo do Distrito Federal. Em mais um passo rumo à criação da primeira universidade pública distrital, a Escola Superior de Gestão (ESG) se prepara para formar a primeira turma do curso de tecnologia em gestão pública.

Voltada a servidores — e com vagas abertas também à sociedade civil —, a formação da ESG aplica metodologia de ensino que, em parte do curso, transforma repartições do GDF em salas de aula. Isso acontece em secretarias associadas à escola, onde os alunos enfrentam a problematização do atendimento e buscam ali a solução para a melhoria do serviço prestado à população.

A servidora Aniele Cavalcante de Carvalho está no terceiro semestre e é uma das alunas a concluir o curso no final do ano. Para ela, todo o conhecimento adquirido na formação já vem sendo aplicado na sua realidade. "Tudo o que venho aprendendo coloco em prática na Secretaria de Saúde, onde exerço um cargo de gerência",  afirma.

"É uma oportunidade de qualificação e desenvolvimento profissional para os servidores, inseridos em uma estratégia de valorização do nosso funcionalismo"André Clemente, secretário de Economia

Nova turma
A ESG funciona por meio de um termo de cooperação técnica firmado entre a Secretaria de Economia (Seec), por intermédio da Escola de Governo (Egov) e a Fundação Universidade Aberta (Funab) do DF. Atualmente há duas turmas em andamento, com um total de 45 alunos. A expectativa é de que uma nova turma seja aberta no próximo semestre.

"É uma oportunidade de qualificação e desenvolvimento profissional para os servidores, inseridos em uma estratégia de valorização do nosso funcionalismo. Iniciativas como essa refletem em melhorias nas entregas e no atendimento à população do DF", avalia o secretário de Economia, André Clemente.

Atenção, estudantes! O Distrito Federal pode ter sua própria universidade. Estão nos planos do governo local criar a Universidade do DF (UnDF), ampliando a oferta e a qualidade do ensino superior público na capital.

O governador Ibaneis Rocha encaminhou à Câmara Legislativa o Projeto de Lei Complementar nº 34/2020, que autoriza a criação da instituição. O tema está em debate entre os deputados distritais, mas assim que aprovado, consolidará o sonho de muitos jovens de ter mais uma alternativa de formação.

Entre os cursos de graduação que poderão ser oferecidos, há novidades voltadas à capacitação tecnológica exigida pelo setor produtivo, além de um reforço de atuação em temas voltados à segurança pública, cidadania e preservação do meio ambiente.

Em todo o DF, existem 66 instituições de educação superior, das quais 62 são privadas e concentram 82% das matrículas de graduação. O cenário apresenta ainda uma grande lacuna de acesso à educação superior para população mais carente.

Segundo dados da última Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios (Pdad), elaborada pela Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), enquanto 76% da população de alta renda familiar detém ensino superior completo, menos de 10% da população de baixa renda possui o mesmo nível de educação formal.

Nesse sentido, o projeto do Executivo local seguirá o entendimento da política de ampliar as oportunidades para os alunos da rede pública. O ingresso na universidade distrital será nos moldes da Escola Superior de Ciências da Saúde (Escs) e a Escola Superior de Gestão (ESG), já que ambas serão integradas ao campus.

Ou seja, 40% das vagas da nova universidade serão destinadas a alunos que concluíram a educação básica integralmente na rede pública. A cota racial, prevista na Lei Distrital nº 3788/2006, também será atendida.

Áreas de graduação
Outro dado do Pdad mostra os rumos que o governo local seguiu para propor as áreas de graduação da UnDF. Dados mostram que 75% da população do DF exerce seu trabalho no setor de serviços, sendo este um dos setores mais suscetíveis a passar por processos de automação e robotização nos próximos anos.

"Urge a demanda de modernizar os cursos superiores e qualificar a mão de obra para que ela se adapte e caminhe lado a lado em meio à evolução tecnológica", afirma o governador Ibaneis Rocha. Entusiasta da primeira universidade distrital, o chefe do Executivo acredita que o novo campus vai além de ajudar a ampliar a oferta de ensino superior. "É um cuidado com nossos jovens, com a qualificação de mão de obra e com o desenvolvimento do Distrito Federal", sentencia.  

Conforme o projeto de lei, a nova universidade foi desenhada para atuar nos seguintes campos: Ciências Humanas, Cidadania e Meio Ambiente; Gestão Governamental de Políticas Públicas e de Serviços; Educação e Magistério; Letras, Artes e Línguas Estrangeiras Modernas; Ciência da Natureza e Matemática; Educação Física e Esportes; Segurança Pública e Defesa Social; Engenharia e Áreas Tecnológicas de Setores Produtivos; Arquitetura e Urbanismo; Ciência da Saúde.

Gestão
Apesar de o número de novas vagas ainda não estar definido. O modelo de gestão proposto para a UnDF é de independência. A unidade de ensino superior será autônoma para firmar acordos e convênios com o sistema federal, aderindo inclusive às políticas federais de incentivo.

Haverá também liberdade para que a universidade busque apoio internacional, de acordo com a conveniência e oportunidade. "Essa universidade converge com toda política de inovação que o GDF tem apresentado dentro do seu plano de governo. Hoje, temos plenas condições para iniciar a próxima década implantando uma universidade", aponta Simone Pereira Costa Benck, diretora-executiva da Fundação Universidade Aberta do Distrito Federal, instituição mantenedora do ensino superior no DF.

Casos reais
A grade curricular do curso de tecnologia em gestão pública é alicerçada em metodologias ativas, com foco na aprendizagem baseada em problemas e problematização. Esse método de ensino tem como fundamento o uso de casos reais da administração pública para promover o conhecimento do estudante.

"Trata-se da construção de uma educação superior pública, gratuita e de qualidade, voltada à população do DF e do Entorno"Juliana Tolentino, diretora da Escola Superior de Gestão

"A formação dessa primeira turma, baseada na pesquisa, e a presença desses profissionais com um olhar mais crítico representará o aperfeiçoamento na prestação do serviço público", afirma o coordenador do curso, Yonoré de Melo Barros.

"Trata-se da construção de uma educação superior pública, gratuita e de qualidade, voltada à população do DF e do Entorno", completa a diretora da Escola Superior de Gestão, Juliana Tolentino.

Nenhum comentário